Home NEWS Private Equity Gestora cria fundo de private equity com liquidez

Por Carolina Mandl e Vinícius Pinheiro

Tradicionalmente um investimento que precisa ser mantido em carteira por um período médio de sete anos, a aplicação em fundos de private equity, que compram participações em empresas, pode ganhar uma maior liquidez no Brasil. A gestora americana StepStone, com US$ 91 bilhões de recursos, desenvolveu um produto que mistura características de private equity com fundos multimercado. A ideia é que, a partir do terceiro ano de aplicação, os cotistas já possam sacar parte dos recursos investidos.

O produto visa atender uma demanda que existe principalmente por parte dos fundos de pensão brasileiros, segundo Filipe Caldas, diretor da StepStone no Brasil. "Muitas fundações sabem que o private equity dá um bom retorno no longo prazo, mas são cobradas por resultado no curto prazo", diz ele.

O fundo da StepStone, ainda em fase de captação, pretende abrigar diferentes classes de ativos: cotas de fundos de private equity recém-lançados e outras adquiridas de investidores, investimento direto em empresas, títulos de crédito privado e caixa.

É o balanceamento entre essas diferentes classes de ativos que permitirá à gestora dar liquidez ao cotista que desejar sacar seus recursos. Nos fundos de private equity tradicionais, o investidor precisa vender suas cotas a outro interessado, caso precise de liquidez antes do prazo estipulado para a devolução dos recursos.

Depois de três anos de aplicação, os investidores do fundo da StepStone poderão, com seis meses de antecedência, solicitar o resgate de até 10% de suas cotas a cada trimestre, de acordo com Bruna Riotto, vice-presidente da StepStone. Saídas acima desse patamar são permitidas, mas sofrem um deságio de 30%, cujo valor será revertido para o fundo.

A gestora pretende captar em até quatro anos R$ 500 milhões para o fundo, que ficará constantemente aberto a novos aportes. "Existem centenas de fundos de pensão no Brasil que ainda não investiram em private equity. Esse é um produto para testar o mercado, que permite o desembolso de cheques menores", afirma Duncan Littlejohn, sócio da StepStone. Para manter o alinhamento de interesse com os investidores, a gestora e os próprios executivos colocarão recursos próprios no fundo.

Com escritório no Brasil há pouco mais de dois anos, a StepStone tem R$ 2,8 bilhões investidos em cotas de sete fundos das principais gestoras de private equity com presença no país. A firma americana também possui investimentos diretos em três companhias. O portfólio soma ao todo 140 empresas investidas.

Fonte: Valor Econômico